sábado, 4 de junho de 2011

O Terror à solta - O Reinado Sangrento do Assassino de Arkham


Por Roberta Henry
publicado no Arkham Advertiser

A cidade de Arkham vem sendo vítima de uma sombria sucessão de atrocidades promovidas por um maníaco homicida que espreita nas noites escuras como um predador voraz. Esse assassino deixa um rastro de vítimas e em sua passagem causa indignação e medo nos bons cidadãos da cidade.

A barbárie teve início no começo de Março quando o corpo da srta Lisa Madigan foi encontrado nos arredores de French Hill por crianças que brincavam nas margens do Rio Miskatonic. Ela estava parcialmente escondida sob caixas de papelão e pedaços de trapo. A srta Madigan, trabalhava como atendente em um mercado local e foi morta por um golpe de faca no peito. O ataque desferido pelo assassino perfurou seu pulmão direito e causou sua morte em poucos segundos, não satisfeito ele arrastou o corpo para a margem do rio onde efetuou outras quinze estocadas em um verdadeiro frenesi de sangue. Segundo a polícia o cadáver foi encontrado apenas dois dias depois do ataque. Ninguém ouviu ou viu nada.

Embora horrível, o ataque não foi o primeiro e nem o último da lista de vítimas do matador.

Os detetives do Segundo Distrito relacionaram a morte da Srta Madigan a dois outros casos também ocorridos nas imediações de French Hill e que estavam em aberto. A principal diferença é que nos dois outros casos a violência foi praticada contra mulheres da noite que transitam pelos arredores do cais do porto de Arkham.

A primeira vítima foi atacada em dezembro, uma mulher de 40 anos que atendia apenas pelo nome de May. Seu corpo foi encontrado em uma viela, vítima de estrangulamento manual e depois morta por instrumento cortante, provavelmente uma faca.

A segunda vítima foi Gertrude Getz, uma prostituta conhecida como Gertie que transitava pelas ruas escuras do porto e pelas sórdidas tavernas da região portuária. Ela também foi vítima de um ferimento letal com faca e seu corpo sem vida descartado junto a um muro em Fevereiro passado.

Contudo, apenas quando o corpo da Srta Madigan foi encontrado é que a polícia começou a investigar os casos de forma mais determinada. A investigação ficou à cargo do Inspetor Paul Sullivan do segundo distrito que mobilizou homens para vigiar as ruas e interrogar suspeitos.

Os ataques pararam no mês de Abril, mas em Maio, o assassino retornou com sede de sangue fazendo duas vítimas na mesma noite.

Beth Anderson, uma jovem de 17 anos foi brutalmente atacada com um instrumento cortante extremamente afiado em plena Sentinel Street nas primeiras horas da noite. Seu corpo foi encontrado caído em um beco com mais de vinte perfurações. Beth tinha um trabalho modesto como faxineira e estava à caminho de casa depois do serviço quando teve o azar de encontrar o maníaco.

Na mesma noite, na verdade poucas horas depois, o maníaco atacou novamente retornando ao seu "território de caça" em French Hill e vitimando Melissa Heath (foto ao lado), atendente do Bar do Dan. Melissa foi atacada enquanto fechava estabelecimento. O maníaco tentou arrastá-la para um beco, mas ao contrário das outras vítimas ela conseguiu gritar por socorro antes de sofrer um ferimento fatal. Pessoas que ouviram o grito correram para acudir mas quando chegaram ao local nada puderam fazer. Testemunhas dizem ter visto um homem se afastando do local, mas ninguém foi capaz de descrever o matador que desapareceu nas ruas mal iluminadas.

Essa noite sangrenta implantou o medo no coração dos bons cidadãos de Arkham. Há um lobo entre os cordeiros vitimando mulheres inocentes com uma disposição para cometer atrocidades rivalizada apenas por monstros como H.H. Holmes ou o próprio Jack, o estripador.

A cidade cobra providências imediatas das autoridades e pressiona o prefeito Peabodie a redobrar os esforços para capturar o asassino que recebeu o infame apelido de "Açougueiro de Arkham".

Apesar das rondas noturnas, do aumento de efetivo na força policial e das investigações conduzidas pelo Inspetor Sullivan, ainda não há pistas da identidade do monstro.

A cidade espera ansiosa para que ele seja descoberto antes que possa fazer mais uma vítima fatal. Enquanto isso não acontece, aconselha-se fortemente que mulheres evitem andar desacompanhadas pelas ruas e que não saiam de casa depois do anoitecer.

As autoridades pedem que qualquer atividade suspeita seja reportada imediatamente, toda a ajuda é bem vinda na caçada ao assassino.

Nenhum comentário:

Postar um comentário